Marcelo Rebelo de Sousa reúne-se com associações empresariais do Algarve

O Presidente da República vai ter uma audiência, esta sexta-feira, 31 de Julho, às 18h00, em Tavira, com associações empresariais do Algarve. 

A reunião entre empresários e Marcelo Rebelo de Sousa decorrerá no Hotel Vila Galé Albacora.

Depois desta audiência, o Presidente da República vai ter mais um jantar com autarcas do Algarve: o quatro deste mês. Desta vez, será na Pousada do Convento, em Tavira.

Esta vai ser a quarta visita do chefe de Estado ao Algarve este mês, depois de já ter passado por Monte Gordo (Vila Real de Santo António), Lagos e Loulé. 

 

Líderes comunitários, representantes das Uniões de Moradores de Bairros de municípios do interior de Mato Grosso receberam mais de duas mil cestas básicas da campanha “Vem Ser Mais Solidário – MT unido contra o coronavírus” e cobertores do programa “Aconchego”. Serão mais de 12 mil kits de alimentos e de produtos de higiene e limpeza. As ações sociais são lideradas voluntariamente pela primeira-dama do Estado, Virginia Mendes.

 

Receberam as doações, o Conselho Tangaraense Das Associações, União das Associações Comunitária de Pontes e Lacerda, União das Associações Comunitárias de Barão de Melgaço, União das Associações Comunitárias de Mirassol D’ Oeste, União das Associações Comunitárias de Nova Xavantina, União das Associações de Moradores de Bairro do Município de Juína, União das Associações de Moradores de Nova Olímpia, União das Associações de Peixoto de Azevedo, União de Associação Moradores de Vila Bela, União Nobrense das Associações de Moradores De Bairros, União Poconeana de Associação de Município, União Poxorensse das Associação, União Primaverense Das Associações de Moradores de Bairros, União Rosariense de Associação de Moradores de Rosário Oeste, União Sinopense das  Associações de Moradores de Bairro, União Das Associações Rurais de Cuiabá.

 

“A parceria com o movimento comunitário é essencial para chegar nas famílias que realmente precisam de ajuda, principalmente neste momento de pandemia”, disse secretária Rosamaria Carvalho, destacando a importância dos líderes na interlocução da sociedade com o governo e que fez a entrega dos kits juntamente adjunto de Assuntos Comunitários da Setasc, Édio Martins. “Os representantes das Uniões vão levar os alimentos para moradores de todos os municípios mato-grossenses, beneficiando assim as famílias que se encontram em situação de vulnerabilidade”, disse ele.

 

Para o prefeito do município de Porto Estrela, Eugênio Pelachim, que também acompanhou as entregas das cestas básicas, a iniciativa é de muita importância. ”Significa muito essa ajuda do Governo do Estado. Temos várias famílias carentes passando por dificuldades. Já recebemos outras doações da Setasc, que foi de muita importância a todas essas famílias do nosso município”.

 

Hoje foram beneficiadas famílias carentes assistidas pela Associação de Moradores do Residencial Jonas Pinheiro III que ganharam 170 cestas básicas com alimento e produtos de higiene e limpeza  O presidente da Associação de Moradores, Washington Xavier, lembrou que é a segunda vez que os moradores da região recebem doações do Governo do Estado. “Agradecemos a primeira-dama por esse auxílio, que novamente vem atender os anseios das famílias que se encontram em situação de vulnerabilidade social. Essas cestas vieram em uma boa hora”, finalizou, através da assessoria.

 

O presidente da Facisc, Jonny Zulauf, participou da reunião, junto com outros integrantes da diretoria. Ele destacou o papel da região Extremo Oeste nas perspectivas positivas que são previstas para Santa Catarina. “A força da região está em cada um de vocês que atuam no associativismo, em cada um que arregaça as mangas e trabalha pelas cidades que compõem a região Extremo Oeste”.
A presidente da Acip de Palmitos, Elonir Schneider Zingler, falou que a entidade tem uma série de soluções empresariais e que por conta disso a entidade hoje não cobra mais mensalidades dos seus associados

 

Poliana de Oliveira, presidente do Conselho Estadual da Mulher Empresária, falou da amplitude dos núcleos de mulheres em todas as regiões. São 66 núcleos e mais de 1,1 mulheres em todas as regiões do estado”. Ela também apresentou o evento Empreende Mulher Catarinense, que acontecerá no dia 17 de agosto. O evento será gratuito e on line, contará com um painel voltado para inovação, adaptabilidade e reinvenção, e com a palestra da fundadora da rede de hotéis Blue Tree Hotels, Chieko Aoki. Mais informações podem ser acessadas em https://ceme.org.br/empreendemulher/.

 

O superintendente institucional da Facisc, Gilson Zimmermann, explicou toda a readequação que a Facisc fez com a pandemia, desde reuniões virtuais, eleições e até a implementação de novas soluções. Com isso, o consultor de soluções empresariais Maicon Bido, falou que seis novas soluções foram lançadas neste período. “Geração de novos negócios e diminuição de custos foram alguns dos objetivos das novas soluções implementadas pela Facisc”, explicou. O consultor do Programa Empreender, Osvaldo Mota, também apresentou alguns dados da região. “São 840 empresas atendidas através dos núcleos da região. Focamos este período da pandemia na capacitação e suporte aos consultores locais”. A consultora de Atuação Regional, Márcia Tonet, falou sobre o trabalho que vem sendo realizado na área institucional. “O planejamento está sendo trabalhado em todas as associações para incentivar o movimento da retomada”.

 

O ex-secretário da Agricultura de SC, Airton Spies, falou sobre o agronegócio e o futuro. Ele fez um panorama sobre o setor. “Neste momento o agronegócio está em ebulição”. Destacou que o setor mostra como é importante para a economia do Brasil. “Mais do que nunca temos que pensar no futuro do agronegócio, mas também no agronegócio do futuro”. Ele explicou que um dos fatores mais importantes do agronegócio brasileiro para sua competitividade foi a tropicalização da agricultura com a plantação de grãos no cerrado e a diversificação. Ele também alertou para o relacionamento com a China. “É hora de mantermos um relacionamento amistoso com o país que mais consome do agronegócio brasileiro”. Spies também explicou a situação catarinense. “29% do PIB de SC é da agricultura”.

Antonio Rebelatto, ex-presidente da Facisc, falou sobre com a associação empresarial pode explorar a cadeia produtiva que está sob o seu guarda-chuva. “As associações empresariais têm que fortalecer muito as empresas locais”.

 

Capacitação

Durante o evento foi lançado uma de capacitação para empresas da região voltado para pensar na cadeia produtiva de todo o Oeste. Em parceria com a Unochapecó, a ideia é reunir todas as cidades para incentivar pensar no agronegócio e no crescimento e desenvolvimento dos produtos locais. Dia quatro de agosoto, haverá uma reunião com as ACIs das regionais Oeste, Extremo e Noroeste. Mais informações podem ser obtidas com o consultor do Empreender, Osvaldo Mota.

 

LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados está aí e as empresas têm que se preparar. A entrada em vigor da lei está prevista para este ano e as penalidades serão apenas a partir de maio de 2021, e a Facisc quer ajudar para que todos estejam preparados, por conta disso, durante o evento foi lançado aplicativo LGPD Na Mão. A GDR Consultoria e a MSI Tecnologia criaram o aplicativo para auxiliar às empresas. Baixe para os seus colaboradores para conhecer e mudar a cultura nas empresas.

 

Sucessão na Facisc

Além das eleições para as vice-presidências regionais que acontecem até esta a próxima sexta-feira (31), em setembro, acontece a eleição para a diretoria da entidade. Durante a reunião, o empresário Sérgio Rodrigues Alves, colocou o nome à disposição como candidato.

O sistema de vendas B2B (Business to Businees) propõe que as empresas vendam produtos ou prestem serviços para outras empresas de forma direta.

Segundo Tiago Carneiro, vice-presidente da Associação Comercial de Pernambuco, a nova ferramenta ajudará os investimentos locais.

“O objetivo é facilitar o processo de compra e venda das empresas, atráves de um canal de vendas digital, com empresas altamente qualificadas, a um preço mais atrativo do que o mercado geral.”

 

 

De acordo com a entidade, outra vantagem da parceria será um ponto de venda online para as empresas que ainda não têm ou que queiram expandir sua marca.

“Os associados cadastrados contarão com um banco de empresas pesquisados pelo NIAC para atender suas necessidades e ajudar no crescimento dos negócios, principalmente no momento que estamos vivendo”, disse Nelcy Campos, CEO da Niac Brasil.

A Associação Comercial de Pernambuco é a mais antiga entidade associativa do setor empresarial de Pernambuco, tendo sido fundada em 1839. Desde seus primeiros anos de vida, a ACP teve com princípio e como estratégia organizacional e de trabalho atuar de forma associativa e com a interação, a mobilização e a participação articulada da classe empresarial pernambucana.

 

Fonte: https://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2020/07/30/associacao-comercial-de-pernambuco-firma-parceria-com-plataforma-digital-de-fomento-comercial/

O empresário, Sérgio Rogério de Castro, presidente da Escola de Associativismo, destaca a prática do Associativismo como instrumento de fortalecimento das entidades. Para ele, um sonho realizado de um trabalho orientado para o fortalecimento das associações. Trata-se de um ambiente de produção, seleção e colecionamento de conteúdo para fortalecimento do associativismo. De acordo com o conceito, é a união organizada de pessoas físicas ou de pessoas jurídicas com um objetivo, um propósito determinado. É a possibilidade de solução, por meio da ação coletiva, onde a ação solitária é mais lenta, mais difícil ou não é possível. O associativismo propõe uma ferramenta para a consolidação da democracia.

 

  1. Como o associativismo influencia positivamente na rotina das industrias?

Posso afirmar, por experiência própria, que pode influenciar muito positivamente na ampliação do relacionamento social e profissional do industrial, no aumento muito grande de informações que podem influir nas suas decisões de negócios, no aperfeiçoamento da sua formação profissional e na dos seus colaboradores. Por meio do associativismo as indústrias podem oferecer muitos benefícios às suas equipes, resolvem muitos problemas que sozinha o industrial responsável pela empresa não consegue resolver, por exemplo: transporte coletivo, comunicações, plano de saúde a menor custo, negociação trabalhista, aumento abusivo de taxas e impostos. A lista pode se estender bastante.

 

  1. Como ocorre na rotina das associações?

O bom associativismo pode influenciar positivamente nas associações que reconheçam que têm pontos a melhorar, que acreditam em melhoria contínua, que tenham humildade em aprender o que não sabem, em aperfeiçoar o que já conhecem. O infinito é o limite quando se pratica um associativismo avançado, responsável, comprometido com a satisfação cada vez maior dos seus associados. O associativismo ensina que engajamento, envolvimento e alegria entre associados e dirigentes de associações é indispensável ao sucesso, ao propósito que se tem.

 

  1. Quais ações concretas foram realizadas através das ações do associativismo industrial?

São incontáveis, quer se pense nacional ou globalmente. Vou citar alguns muito importantes pois a lista é grande. Nacionalmente, associações industriais trabalham fortemente na aprovação e aperfeiçoamento da legislação nos três níveis de poder: municipal, estadual e federal. Através de associações industriais brasileiras, milhares de industriais e industriários recebem capacitação e formação profissional, serviços de saúde, em especial de segurança do trabalho e inúmeras oportunidades de prática de esportes, de deleite, prazer e lazer com atividades culturais de diferentes tipos. Globalmente cito a participação das associações nas negociações de acordos comerciais entre países ou bloco de países, na promoção do comercio internacional pela organização de milhares missões comerciais.

 

  1. Qual o papel das associações e da Escola de Associativismo durante a pandemia? O que é possível fazer para amenizar a crise?

A Escola de Associativismo tem se empenhado no estímulo às associações para que se reúnam e promovam ações próprias ou em parceria para mitigar os efeitos da pandemia, efeitos estes que são de vários tipos: sanitária/saúde pública, sociais, econômicos. Alguma coisa importante qualquer associação pode realizar, sozinha ou em conjunto com outras associações e é isto que temos feito. Os exemplos de associações atuantes inspiram as demais.

 

  1. Quais os benefícios para a sociedade como um todo?

Os benefícios do associativismo para a sociedade podem ser resumidos na seguinte crença que direciona a ação da Escola de Associativismo: com associações fortes, a sociedade civil se fortalece e, atuando em conjunto, de forma independente, com os representantes políticos eleitos, vamos ter cidades, estados e países muito melhores. Para alcançar este propósito vale a pena qualquer esforço, qualquer empenho.

 

Fonte: https://jornalcorreiometropolitano.com/escola-pratica-associativismo-para-fortalecimento-de-acoes-solidarias/

Mais uma boa notícia. A apoiadora SINCADES que acompanha a EA há algum tempo confirmou a renovação do seu apoio para mais 12 meses. Um apoio fundamental, básico, um apoio de uma forte associação, nosso modelo de sustentabilidade. Ë o quarto ano desta parceria. Ficamos muito felizes com cada renovação patrocínio, de parceria, de apoio, uma demonstração de reconhecimento de valor do que estamos realizando e de confiança na boa aplicação dos recursos financeiros da parceria. Muito obrigado SINCADES !

Texto síntese do colaborador voluntário da EA Lino Geraldo Resende, a Pílula de Associativismo do MD01, módulo didático que trata do tema “Os benefícios de uma sede” foi publicado no último dia 20 de julho destacando a importância de uma sede para uma associação.

PATRONO DO GRUPO BUAIZ, FUNDADOR E PRIMEIRO PRESIDENTE DAS FEDERAÇÕES DO COMÉRCIO E DAS INDÚSTRIAS DO ES

Uma grande honra, um evento especialíssimo, o apoio do INSTITUTO AMÉRICO BUAIZ à ESCOLA DE ASSOCIATIVISMO. Com absoluta certeza, se ainda vivo, Américo Buaiz seria um destacado colaborador de conteúdo da escola pela seu conhecimento e sua reconhecida e louvada prática do Associativismo. O Grupo Buaiz é hoje presidido por Américo Buaiz Filho, valoroso empreendedor que deu grande impulso a conglomerado empresarial que é um dos maiores do estado do ES.

Um sucesso os dois cursos realizado no mês de julho de 2020. No dia 15, o mais frequentado até aqui, quase 50 participantes, abordou o tema do MD11, módulo didático 11, “Engajamento e envolvimento: indispensável”. No dia 30 foi a vez do tema do MD03 “Inovação no Associativismo”, tema com muito conteúdo, provocativo. Falar em inovação é fácil, fazer inovação é mais difícil.

Uma grande alegria, uma real possibilidade de parceria e convênios de cursos para multiplicadores e associativistas a nível nacional.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO ES, UMA GARANTIA DA CONTINUIDADE DE APOIO À ESCOLA DE ASSOCIATIVISMO

No último dia 29 de julho tomou posse, em solenidade híbrida, na sequência da inauguração do ITS – Instituto de Tecnologia SENAI / Eficiência Operacional, a nova Presidente da FINDES, primeira mulher a ocupar este cargo em 62 anos de existência daquela associação de empreendedores.

Uma das ferramentas mais antigas da administração é sem dúvida a famosa REUNIÃO. Instrumento de grande importância para a coordenação e foco dos assuntos importantes e urgentes, a Reunião é hoje massacrada por uma série de gestores não preparados para fazer com que ela possa render à empresa os benefícios que poderia estar propiciando.

 

As falhas geralmente estão relacionadas da seguinte forma:

1. A empresa não faz reuniões pois seus gestores não gostam do assunto, ou não percebem sua utilidade, ou até mesmo, tem medo de enfrentar os problemas e os assuntos prioritários de forma participativa.

 

2. As reuniões quando acontecem são apenas para apagar fogo, ou são realizadas no estilo da REUNIÃO DE CONDOMÍNIO onde o que prevalece é a truculência, dispersão, vaidade e falta de objetividade.

 

3. Os erros já começam na falta de uma pauta organizada dos assuntos que serão tratados na reunião. A reunião transcorre na base do “vamos que vamos” e na base da “criatividade” dos que não tem nenhuma idéia de priorização e importância dos assuntos.

 

4. Outro ponto importante é a falta de liderança pelo coordenador da reunião que não como evitar dispersões, brincadeiras, piadas, conversas ou mini reuniões paralelas e outras impropriedades. A reunião se torna, portanto, uma verdadeira “feira livre”.

 

5. Igualmente crítico é a falta de constância de propósito ou disciplina, ou seja, as reuniões não tem seguimento lógico e o feed back fica totalmente comprometido. É necessário que se estabeleça um cronograma prévio das reuniões e que o mesmo seja obedecido fielmente.

 

6. Para concluir esta pequena listagem, vem a falta de registros, ou seja, de uma boa e prática ata de reunião que possa servir de instrumento para a cobrança das decisões e encaminhamentos. A Ata de Reunião (veja modelo) é de suma importância para o gestor e para todos os participantes no sentido de dar andamento nas ações acordadas. O modelo que apresentamos é bastante prático e eficaz neste sentido do gerenciamento das prioridades.

 

Enfim, Faça boas reuniões e faça acontecer na sua empresa de forma a ser não apenas “corretivo” mas fundamentalmente “preventivo”.

 

Fonte:https://www.folhavitoria.com.br/economia/blogs/gestaoeresultados/2011/07/25/reunioes-e-resultados/

Fisiológicas e básicas
As mensalidades são nossa principal fonte de receitas
Convivemos com a inadimplência e com o desinteresse dos associados pelo dia a dia da entidade
Como é difícil encontrar líderes que carreguem o piano associativo, contentamo-nos com quem se voluntaria para esta missão
Pegamos à laço os poucos associados que conseguimos alcançar
Nosso portfólio de serviços é acanhado, mas é o melhor que podemos fazer diante do perfil socioeconômico local
Em geral, não temos projetos em andamento, pois demandam tempo, estrutura, dedicação e altos investimentos

Foco prevalente na subsistência

Emblema
“Vendemos o almoço para comprar o jantar”

 

Segurança e patrimoniais
O que temos e o que somos foi composto com grande esforço
Em relação às finanças, não geramos superávit nem prejuízo
Somos ponderados e conservadores em nossas decisões
Melhor ter pessoas que se voluntariam para a composição de chapa a correr o risco de não haver ninguém que se apresente para esta missão
Nosso quadro social é estável, embora pouco participativo
Estimulamos a formação de lideranças, mas quase não há renovação de nosso quadro diretivo
Nosso portfólio de produtos está centrado em serviços tradicionais como o SPC, certificado digital, capacitações, assessorias e locações
Os projetos que tocamos têm grande dependência de parceiros externos e geram resultados medianos para os associados
Nossos principais indicadores de resultado são a manutenção das contas em dia e a estabilidade do nº de associados
Estamos mais apegados ao passado, que centrados no futuro

Foco prevalente na manutenção do status quo

Emblema
“Em time que está empatando, não se mexe”.

 

Sociais e de pertencimento
Valorizamos a presença do associado no dia a dia da ACE. Somos festivos e nos confraternizamos sempre que possível, por meio de happy hours, eventos, missões empresariais, núcleos setoriais e rodadas de negócios
Nosso portfólio tem ênfase no relacionamento entre associados, mas, não necessariamente, gera expressivas receitas para a entidade
Nos esforçamos para ter um quadro social representativo da economia local
Buscamos refletir as necessidades do associado em nossas ações e serviços
Reconhecemos a relevância da formação de redes de cooperação empresarial para o sucesso dos negócios
Projetos nos inspiram, principalmente, se contribuírem para o senso de pertencimento e bem-estar gerados pela causa associativa
Nosso principal indicador de resultado é a participação do associado no dia a dia da
entidade.

Foco prevalente no relacionamento, sem, contudo, estabelecer maior rigor quanto à competitividade empresarial

Emblema
Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco …

 

Existenciais e de estima
Valorizamos a presença da ACE na mídia e o justo reconhecimento público que nos éconferido
Reunimos grande número de associados. Além disso, as maiores empresas locais figuram em nosso quadro social
Somos escolhidos como parceiro preferencial por muitas instituições
Nosso portfolio de serviços gera expressivo superávit para a ACE. Dispomos de sede própria e de razoável patrimônio.
Devido ao sucesso institucional e financeiro que alcançamos, a ocupação de nossos cargos gera disputa, embora algumas lideranças queiram se perpetuar em nossos cargos decisórios
Estamos bem na fita. Somos premiados e aclamados pelo trabalho que fazemos, principalmente por agentes de mídia e parceiros-chave
Nosso principal indicador de resultado é o reconhecimento público das ações
realizadas
Nosso sucesso atual sinaliza para um futuro próspero

Foco prevalente no desempenho da entidade e não no resultado das empresas

Emblema
“Diga-me com quem andas, que eu lhe direi quem és”

 

Auto-realização e de geração de impactos na sociedade
Nosso foco é dirigido ao associado, razão maior de nossa existência. Por isto, nosso principal indicador de sucesso é a competitividade das empresas associadas
Temos forte presença do associado na ACE, pois ele a enxerga como seu porto seguro, sua bússola e seu mapa de navegação
Somos superavitários, autônomos e sensíveis às reais necessidades das empresas associadas e representadas
Adotamos como estratégia de sobrevivência e crescimento, o permanente acolhimento, formação e integração de lideranças
Atraímos novos associados de forma espontânea e ascendente, com alto grau de satisfação e engajamento
Zelamos pelo ambiente de negócios e pelo estímulo à atividade empreendedora local
Nosso principal prêmio é a satisfação do associado e a garantia de que ele atinja alto grau de competitividade
Nossos projetos geram grande percepção de valor acerca do trabalho desempenhado pela entidade na defesa de seus associados e no desenvolvimento econômico local
Nossos principais indicadores de resultado são a criação de ambiente favorável à atividade empreendedora e o alcance dos princípios associativos
Somos sensíveis ao presente, mas é o futuro que nos move

Foco prevalente no associado e em sua competitividade de médio e longo prazos

Emblema
A melhor forma de prever o futuro é cria-lo (Peter Druker)

 

Forward Consultoria – Gilmar Barboza – 2020

 

 

pirâmide de maslow associativismo