PRINCIPAIS VANTAGENS DE ASSOCIAÇÃO DE 2020

2020 está terminando com um estrondo ou um gemido? É difícil dizer, mas está quase acabando, o que é bom. Os desafios deste ano, porém, não foram páreo para a fortaleza das associações. Aqui estão algumas reflexões.

 

Há poucas chances de exagerar como o ano de 2020 foi caótico e inquietante. Por mais difícil que fosse, as associações exemplificaram a tenacidade , a flexibilidade e a engenhosidade necessárias para enfrentar muitas ocasiões assustadoras e continuar a atender às necessidades urgentes de seus membros.

Falei com muitos profissionais de associações nos últimos nove meses e o que ouvi foi: É isso que as associações fazem melhor. Eles são comunidades de solucionadores de problemas. Aqui estão alguns exemplos.

AGREGANDO VALOR EM MEIO A CRISES

As associações enfrentaram muitos desafios para demonstrar valor relevante para os membros durante várias crises, mas ainda havia muitas histórias de sucesso . Muitas pessoas com quem conversei falaram sobre como as crises os fizeram andar muito mais rápido – sem uma rede de segurança.

A American Nurses Association respondeu rapidamente para fornecer aos enfermeiros o que eles mais precisavam quando a pandemia atingiu: uma série de webinar COVID-19 sob demanda gratuita para todos os enfermeiros – não apenas os membros. A ANA acumulou 130.000 inscritos para a série, e um e-mail de adesão direcionado a esses inscritos resultou em aproximadamente 2.600 novos membros. A ANA também estendeu seu período de carência para renovações de sócios e ofereceu aos membros uma estrutura de pagamento de quotas mensais bem recebida.

Faz sentido que os enfermeiros valorizem as informações sobre como responder a uma pandemia global, mas de que outra forma você sabe o que os membros valorizam ? Um relatório recente, Association Trends 2020: From Disruption to Opportunity  [PDF], concluiu que, apesar dos muitos desafios que este ano trouxe, o envolvimento dos membros continua a crescer e a lealdade às associações é forte. Cinquenta e um por cento dos membros pesquisados ​​disseram que sua associação é mais importante para eles hoje do que antes da pandemia.

Advocacy e reuniões são freqüentemente considerados como elementos centrais da proposta de valor de uma associação. Mas Tom Morrison, CEO do Metal Treating Institute, disse que, como parte de um exercício para determinar o valor , a MTI tirou a defesa e as reuniões da mesa e descobriu que a previsão de vendas, benchmarking financeiro, treinamento e desenvolvimento profissional eram geradores de valor importantes para os membros .

PRATICAMENTE ENGAJADO

Associações grandes e pequenas encontraram maneiras inovadoras de envolver os membros , algumas com orçamentos realmente apertados. O Conselho de Iniciação Científica desenvolveu “Cinco em Cinco”, vídeos que fornecem cinco dicas, soluções ou respostas a perguntas em cinco minutos. A equipe não tinha nenhuma habilidade técnica de vídeo para falar, então eles usaram uma plataforma barata, Animoto, para produzir vídeos refinados rapidamente. Os vídeos do CUR incluem como aproveitar melhor sua plataforma de comunidade online e cinco dicas para hospedar um simpósio virtual .

O American Concrete Institute também usou vídeos para se conectar melhor com os membros, especialmente quando perceberam que todos estavam se tornando muito mais proficientes no mundo virtual. As equipes de associação e marketing criaram vídeos curtos de um a dois minutos no quadro branco para conectar membros novos, potenciais e antigos aos benefícios da ACI. Os vídeos conduzem os membros pelas opções de benefícios e mostram como navegar nas diferentes seções do site da ACI  onde os benefícios podem ser acessados.

ORÇAMENTO DE QUOTAS DE SÓCIOS

2020 trouxe muitas incertezas, principalmente em relação às finanças. As associações lutaram para descobrir maneiras de contabilizar as taxas de associação nos orçamentos de 2021. Christina Lewellen, CAE, diretora executiva da Associação de Líderes de Tecnologia em Escolas Independentes, deu alguns bons conselhos .

Sua equipe analisou diferentes níveis de adesão com base no envolvimento dos membros, observando fatores como longevidade, voluntariado e participação em reuniões. Isso os ajudou a determinar quais membros teriam maior probabilidade de voltar, e foi assim que elaboraram seu orçamento.

E, finalmente, como você se comunica com os membros em uma crise ? Uma combinação de empatia e algumas técnicas antiquadas são fundamentais, de acordo com Sheri Singer, presidente da Singer Communications. Ela ofereceu muitas orientações práticas sobre maneiras de falar com os membros em tempos difíceis. E – bônus – ela explicou por que todos nós temos fadiga do Zoom. É porque estamos experimentando “cérebro de lagarto”. Mistério resolvido!

À medida que avançamos em 2021, será um alívio sair do modo de sobrevivência e entrar no que espero que seja o modo de recuperação. É hora de virar a página.


Fonte: Association Snow

 

 

O Fórum de Associações , a maior rede de associações de base ampla da Austrália com mais de 600 membros, publicou recentemente as conclusões de sua Pesquisa de Eventos de Associação 2020. O objetivo era investigar como os eventos de negócios organizados por associações foram afetados pela pandemia e trazer à tona as novas tendências .

Com 194 associações participantes, a Pesquisa mostrou que apenas um quinto dos eventos foram cancelados. Um terço foi remarcado, enquanto a maioria optou por se tornar totalmente virtual ou – muito menos – híbrido, metade dos quais administrados por funcionários internos das associações. Entre outras descobertas, quase metade das associações viu uma diminuição na receita de patrocínio de seu grande evento.

A gerente geral do Fórum da Associação, Fátima Sunderji, afirma: “Os eventos estão no centro das associações. Eles ajudam a associação a cumprir seus objetivos de educação e informação e também fornecem um fluxo de renda valioso. Este ano, os eventos foram fortemente impactados pela pandemia COVID-19 e associações mudaram com sucesso rapidamente para modelos virtuais e híbridos. ”


Fonte: https://boardroom.global/what-do-statistics-say-about-the-associations-2020/

 

Promoção de Natal, com sorteio de carro e de moto, consultoria e cursos gratuitos, apoio psicológico, distribuição de totens de álcool em gel, descontos em produtos de prevenção à Covid-19 e reuniões de negócios online são algumas das ações realizadas neste ano pela Associação Comercial Empresarial (ACE) de Jundiaí.

O presidente, Mark William Ormenese Monteiro, diz que 2020 foi um ano atípico, incomum, de muitos desafios, transformações e reinvenções e tudo o que foi planejado no início de 2020 teve de ser revisto e adaptado para o cenário de pandemia. “A ACE fez as adaptações necessárias para enfrentar o momento e sempre manteve o diálogo com o poder público na busca de alternativas que pudessem reduzir os impactos econômicos no setor”, afirma.

Mark diz que é inegável que se trata de um momento muito triste para todos e os impactos da pandemia são incalculáveis. Por isso é importante a população valorizar os pequenos estabelecimentos comerciais, que representam 98% das empresas na cidade e geram 61 mil empregos. “Façam as compras no comércio de Jundiaí, do centro e dos bairros. Ao apoiar uma pequena empresa estamos ajudando a preservar a economia e os negócios da cidade.”


Fonte: JR Jornal

 

 

O evento foi realizado dentro das regras exigidas para o momento de pandemia, com pequeno número de participantes presenciais. Os demais associados, parceiros e profissionais do setor supermercadista puderam acompanhar a posse pelo YouTube da Acaps.

A nova diretoria é formada por 35 membros e tem Fábio Dall’Orto Dalvi como presidente. O empresário foi eleito em votação no último dia 12 de novembro e inicia a gestão em 1º de janeiro de 2021. O mandato é válido para os próximos dois anos.

Em um discurso emocionante, Fábio agradeceu à família pelos ensinamentos e valores recebidos e destacou a presença do pai, José Dalvi, de 92 anos, a quem chamou de líder e fonte de inspiração. Ressaltou também a importância das equipes para que um negócio simples e ao mesmo tempo complexo como um supermercado tenha resultados e resista aos anos. “Sem equipe não tem nada, ninguém faz nada sozinho. Aprendemos em família que juntos vamos mais longe, de forma mais estável e mais feliz”, afirmou.

Sobre o novo desafio, Fábio garante que fará o seu melhor e que assume o cargo de presidente com muita honra. “O Varejo é uma atividade que me encanta. O supermercado é um lugar onde a vida acontece, não tem faz de conta. Faz parte da nossa missão formar pessoas. Nós somos o primeiro emprego de muitos jovens e essa é uma missão muito nobre”, disse.

Para Fábio Dalvi, é importante apostar em um modelo de gestão humanizada, que valoriza, reconhece e respeita o ser humano com todas as suas peculiaridades, e em um sistema que possui objetivos claros, com quais resultados precisam ser alcançados e quais indicadores precisam ser usados para atingir e manter os objetivos. A atuação se baseia em três pontos: resultados, indicadores e cuidado com as pessoas.

Inicialmente, são três as pautas que o novo presidente deseja trabalhar: a aproximação da Acaps do dia a dia do associado para que a Associação se torne ainda forte e representativa; a manutenção do alinhamento com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras); e a aproximação com os fornecedores. “São esses pontos que pretendo sugerir ao Conselho Diretor e que vão nortear a nossa agenda de trabalho”, adiantou Fábio Dalvi.

Já João Tarcício Falqueto, que se despede da presidência da Associação após seis anos, recebeu das mãos do superintendente Hélio Schneider uma escultura feita pela artista plástica capixaba Ana Paula Castro. O presente foi uma forma de reconhecer toda a dedicação do empresário no tempo em que esteve à frente da entidade.

No evento, João Falqueto aproveitou para agradecer a contribuição do superintendente Hélio Schneider nos 48 anos de história da Acaps. Agradeceu ainda à família – pais, irmãos, esposa e filhos – e falou sobre a importância da população entender a gravidade da Covid-19 e de não deixar de lado as medidas de prevenção.

“Foi um prazer estar à frente da Associação por todo esse tempo e participar de projetos e ações tão importantes para o desenvolvimento do nosso segmento. Cada iniciativa da entidade tem um único objetivo: a defesa dos interesses dos supermercadistas capixabas e o fortalecimento dos seus negócios”, afirmou.

Para ele, a credibilidade conquistada pela entidade junto aos órgãos governamentais, parceiros, associados e população em geral é fruto de um trabalho transparente e sério, e que vem dando certo porque é realizado em conjunto, com muita entrega e dedicação por parte da diretoria, da equipe técnica e dos demais colaboradores.

Diálogo

O governador Renato Casagrande, em seu discurso, destacou a importância do diálogo permanente com a Acaps a fim de encontrar soluções para o enfrentamento da pandemia. “Passamos por momentos difíceis com a definição de regras e protocolos e a Associação sempre esteve à disposição do Governo, demonstrando muita boa vontade para lidar com o assunto. O João (Falqueto) foi um presidente com bastante capacidade de diálogo”, elogiou.

Ele disse ainda que, assim como o João Falqueto, acredita que o novo presidente, Fábio Dalvi, será um excelente líder e, com o apoio da diretoria da Acaps, irá ampliar ainda mais a importância da entidade. “Coloco a minha equipe de Governo à disposição da Associação”, afirmou.


Fonte: https://esbrasil.com.br/nova-diretoria-acaps/

O novo formato de cursos online interativos facilitou em muito o alcance dos cursos da EA. Várias propostas estão em análise neste momento o que sugere que a ousada meta de 40 cursos em 2021 pode até ser superada. São várias as propostas para solicitações de vários estados do Brasil. Na carteira já são 19 cursos no ES.

A proposta da EA à FINDES foi aceita e em fevereiro serão iniciados os cursos com a frequência de um curso/mês de fevereiro a novembro. Foi uma grande alegria para a escola que nasceu dentro da FINDES e tem tido um forte apoio desta forte associação desde o início das suas atividades em 2015, na gestão da diretoria presidida por Marcos Guerra.

Para poder dar uma maior escala na realização de cursos novos multiplicadores de conteúdo estão sendo capacitados e em neste janeiro serão conhecidos e já em fevereiro deverão estar trabalhando. A previsão do Plano de Trabalho 2021 é a realização de 40 cursos, mais do que o triplo de 2020.

São colaboradores de conteúdo deste novo curso Aristóteles Passos Costa Neto, Domingos Morelo e Sergio Rogerio de Castro. Previsto inicialmente para ser lançado em dezembro de 2020, este curso acabou sendo adiado tendo em vista que o lançamento do MD15 “Manter associados: um esforço necessário” só foi possível ser realizado no final de novembro.

Foi o decimo segundo curso realizado em 2020, 1 CPFA Curso Presencial de Formação de Associativistas, na FAES Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do ES, antes da pandemia, 10 CIFA Cursos Online Interativos e 1 CPCM Curso Presencial de Capacitação de Multiplicadores, na FINDES Federação das Indústrias do Estado do ES, na verdade um curso híbrido pois parte das atividades foram virtuais. Um bom avanço com relação ao ano de 2019.

A Presidente convidou para a reunião os seguintes colaboradores da FINDES Federação das Indústrias do Estado do ES: o vice-presidente para Assuntos Sindicais, industrial Manoel Pimenta, o diretor geral Roberto Campos de Lima, o Superintendente do IEL/ES Roberto Teixeira e o chefe de gabinete Leo de Paula. Representando a escola o presidente do Conselho de Gestão Sergio de Castro e o diretor Fábio Dias.

O presidente do Conselho de Gestão iniciou a sua participação agradecendo muito ao Sistema FINDES a frutífera parceria dos últimos 5 anos. Fez uma apresentação sobre a história da EA, o que ela já produziu, os cursos já realizados, o PTO Plano de Trabalho e Orçamento 2021, pontuando o que a escola pretende entregar, quanto estima arrecadar e onde irá aplicar os recursos disponíveis no próximo ano. Ao final a EA fez solicitações de apoio pedagógico, de comunicação e de aprovação da proposta de uma trilha de 10 cursos em 2021, em exame. A Presidente reiterou a continuidade da parceria com a escola, falou da grande importância da Escola de Associativismo para que a atual diretoria alcance seus ambiciosos projetos de fortalecimento das associações sindicais filiadas.

 

Se 2020 foi um programa de software, talvez alguém possa dizer conscientemente: “Ele pode ser desinstalado e instalado novamente? Esta versão tem um vírus! ”

Vinte e vinte foi de fato um ano desafiador para muitos, incluindo a comunidade da associação. As restrições aos eventos presenciais reduziram a capacidade das associações de se envolverem pessoalmente com seus membros e, consequentemente, de aumentar as receitas necessárias. Também aumentou o horário de trabalho das associações, pois os membros queriam informações rápidas sobre como lidar com a pandemia, bem como soluções para seus próprios problemas organizacionais. Some-se a isso a aceleração da adaptação a novas tecnologias e a aceleração de seus programas de transformação digital.

Todos nós sabemos, também, que uma crise traz oportunidades. Embora 2020 tenha causado perturbações nas associações, também inaugurou novas formas de fazer as coisas. Aqui está minha opinião sobre o MELHOR que as associações locais fizeram em 2020:

B — Ser adaptável. As associações, isto é, associações comerciais e sociedades profissionais, têm lidado bem com a flexibilidade na mudança de suas atividades do físico para o virtual / on-line, por exemplo, webinars, boletins eletrônicos e conteúdo de conhecimento. Eles institucionalizaram o esquema WFH (trabalho de casa) para seus funcionários. Eles racionalizaram seus orçamentos, gastando apenas para as necessidades essenciais e fizeram parceria com associações com ideias semelhantes na organização de eventos de treinamento e atividades de defesa de direitos.

E – Envolvendo os membros onde eles estãoAs associações têm usado a comunicação multicanal, como e-mails e mensagens de texto no celular, bem como a mídia social para alcançar e se envolver com seus membros. Eles forneceram mais conteúdo gratuito e deram alívio aos membros que não puderam pagar suas taxas de adesão, seja por meio de adiamento ou parcelamento. Eles investiram em relações públicas e iniciativas sociais para ajudar a posicionar a indústria ou a profissão de seus membros.

S — Fornecimento de novos fluxos de receita. Percebendo um declínio acentuado nas receitas, à medida que as taxas de filiação estagnavam, eventos eram cancelados ou se tornavam virtuais e as vendas de produtos reduzidas, as associações revisavam rapidamente seus modelos de negócios. Eles redirecionaram seus ativos de conteúdo, por exemplo, vídeos de treinamento, artigos impressos, etc. em recursos de conhecimento sob demanda. Eles converteram seus seminários educacionais presenciais em webinars e programas de e-learning. Eles intensificaram seu foco nas oportunidades de patrocínio e agora estão trabalhando em parcerias de longo prazo e que geram maiores ROIs.

T — Assumindo as novas tecnologia na prática (e na mente). Embora antes o digital estivesse em segundo plano e fora da mente, a pandemia fez as associações repensarem e acelerarem suas iniciativas digitais. O uso de plataformas de videoconferência e IA para marketing e engajamento de membros, construção de comunidades online e investimento em software de gerenciamento de associação foram todos levados a sério pelas associações para avançarem de forma constante.

Dez meses após o início da pandemia, as associações enfrentaram desafios que nunca haviam previsto. No entanto, elas também reconheceram rapidamente que eram superáveis. Com o passar dos meses, a boa notícia é que as associações deram o seu MELHOR para se adaptar à nova forma de gerir as suas operações.


Este artigo foi publicado pelo Business Mirror em  05 de novembro de 2020  e não pode ser reproduzido sem o consentimento prévio do redator e do Business Mirror.

O autor, Octavio ‘Bobby’ Peralta, é simultaneamente secretário-geral da  Associação de Instituições de Financiamento do Desenvolvimento na Ásia e no Pacífico  (ADFIAP), Fundador e CEO do  Conselho Filipino de Associações e Executivos de Associações  (PCAAE) e Presidente da  Federação de Organizações Associativas da Ásia do Pacífico  (APFAO). 

 

Sabemos que na maioria das reuniões que participamos, não tem rumo, pauta, posicionamento, todos falam juntos e os assuntos podem ir de prostituição a direitos canônicos, uma bagunça. O pior é que se perdeu tempo e não se chegou a lugar nenhum. O simples fato de se fazer uma reunião, mesmo desorganizada como essa, dá uma pseudo sensação de que algo foi feito. De fato, a única verdade sobre tudo isto é que não houve regulamentação, uma forma organizada de dar andamento nas reuniões.

Para isso, criamos os seguintes tópicos para auxiliar nas suas próximas reuniões.

 

1 – Antes da reunião

  • – Defina antecipadamente e envie a todos os participantes a agenda do que será discutido na reunião e o papel de cada participante. (PAUTA)
  • – Defina um horário para início e fim da reunião, sem que ultrapasse o horário definido.
  • – Defina o objetivo da reunião e o que se buscará de resultado ao final. (FOCO)

 

2 – Durante a reunião

  • – Solicite a todos os participantes para desligarem celulares e demais aparelhos de comunicação para ficarem atentos à reunião.
  • – Comece a reunião com uma breve explicação do motivo e da PAUTA. Em seguida certifique-se de que todos os participantes
  • – Questione sobre o assunto da reunião, ou as causas do problema.
  • – Solicite soluções possíveis, buscando ter evidências que comprovem a praticidade de cada solução.
  • – O Coordenado da reunião deve ler a ATA
  • – Após o assunto ter sido suficientemente discutido, faça um resumo final e proceda então à votação. O ideal é que todas as soluções apontadas tenham responsável e prazo para execução. ( O que? Porque? Onde? Quando? Quem? Como? Quanto? )
  • – Sempre que for conveniente, nomeie uma pessoa ou uma comissão encarregada de verificar se a ação decidida foi tomada corretamente e no tempo previsto.

 

3 – Após a reunião

  • – Ao final da reunião, faça um resumo das decisões tomadas ou solicite a alguém para fazê-lo.
  • – Sistematize esse resumo em forma de ATA(objetiva) e envie a todos os participantes, com as principais decisões tomadas na reunião e os próximos passos, prazos, responsáveis, etc.

 

4 – Como o coordenador da reunião deve agir

  • – Evite expressar suas ideias pessoais e só faça depois que os outros as tenham expressado. Seu objetivo principal é dirigir e não participar calorosamente da discussão.
  • – Procure fazer com que todos participem da reunião, porém evite perguntar diretamente para cada um a sua opinião.
  • – Mantenha a reunião ativa, sem desviar-se do tema. Garanta que seja rápida, com exposições curtas. Intervenha quando alguém quiser falar muito ou com demasiada frequência, assim como quando alguém sair do tema.

 

5 – Como o participante deve agir

  • – Fale sem se levantar, a não ser em uma grande assembleia com muitas pessoas.
  • – Prepare-se individualmente e em grupo para a reunião.
  • – Fale de maneira breve, resumida e sobre o tema que se discute.
  • – Preocupe-se com o seu tom de voz. Fale sempre em tom de conversação, mas garanta que todos os participantes estejam ouvindo e participando.
  • – Apresente evidências que demonstrem que a solução proposta é coerente. Garanta o que está falando.
  • – Evite expressar suposições ou generalidades numa reunião.
  • – Ouça atentamente a todos os participantes.
  • – Não interrompa quando outra pessoa estiver falando.
  • – Cada representante de setor deve trazer os números de sua área e por sua vez, falar de sua área e não a do outro.
  • – Em vez de fazer afirmações diretas, faça perguntas e não se justifique.
  • – Se alguém fizer alguma afirmação com a qual você não concordar não discuta, pergunte a essa pessoa por que pensa dessa maneira. Se a pergunta vier em tom amigável, não causará ressentimentos e lhe permitirá averiguar por que a pessoa pensa daquele modo. Dessa maneira você poderá obter informações muito valiosas.

 

Dicas

  • – Se possível, opte por reuniões com até 6 pessoas. A absorção das informações é maior neste caso.
  • – Caso haja mais de 10 pessoas em uma reunião, seja flexível, no entanto exija que a pessoa que queira falar obtenha sua autorização.
  • – Se você propôs uma reunião, assuma a liderança do encontro e não permita conversas paralelas ou desvio de foco.

tecnologia da informação é a área mais idealizadora e empreendedora quando o assunto é formação de redes associativas voluntárias para defender os interesses do segmento. Nenhuma outra atividade da economia dispõe de tantas federações internacionais para esse fim.

A essência do associativismo reside na participação voluntária dos membros e é uma experiência que pode ser aplicável a qualquer categoria, seja em uma atividade econômica empresarial, na congregação de profissionais especializados ou na união de organizações não governamentais. Os problemas enfrentados por essas agremiações e suas soluções são semelhantes. Confira os principais pontos que envolvem essas redes:

Estruturação

O processo de criação dos Estados Nacionais, com constituição e separação dos poderes, é considerado o modelo adequado para a formulação dos estatutos dessas entidades. É esse documento que determina quem pode ser membro, quais os direitos e obrigações, quem pode se candidatar aos cargos, como funcionam os processos eleitorais, entre outros pontos.

As associações também precisam de mecanismos para lidar com conflitos internos para evitar que interrompam suas atividades ou se fragmentem em outras entidades. Em uma operação em rede, a representatividade geográfica e econômica dos membros também é crucial: federações internacionais, por exemplo, não podem ter organizações provinciais.

Princípios

A perenidade das associações depende de princípios e valores, como participação, transparência, estado de direito, responsabilidade, orientação para o consenso, igualdade, efetividade e eficiência, além do suporte a auditorias externas. O posicionamento desses princípios não é uma posição política ou ideológica, mas sim estruturante para a organização. Uma vez enunciados claramente os valores, é preciso definir os papeis que a entidade deve cumprir no relacionamento com cada segmento em que está presente, como associados, governo e sociedade civil.


Iniciativas

Dessas definições surgem iniciativas, como a criação de manuais com conteúdo específico ou relatórios comparativos das políticas públicas entre os países. Se cada associação-membro da federação tivesse de elaborar esses materiais, o custo total seria muito maior e, para os menores, seria inacessível.

Outras ações coletivas desenvolvidas costumeiramente incluem o trabalho de marketing e relações públicas e a geração de estatísticas sobre o setor ou atividade (essenciais para o relacionamento com a esfera governamental, processos judiciais coletivos ou até em instâncias superiores da Justiça, que são inacessíveis individualmente).

*Roberto Carlos Mayer é diretor de Comunicação da Assespro Nacional


Fonte: It Forum