Um ano pandémico com um futuro promissor!

 

6 de março de 2020 marca o início do mandato da Direção da Associação Empresarial de Penafiel (AEP) para o triénio 2020-2022, 4 dias após a deteção do primeiro caso COVID-19 em Portugal.

Longe estaríamos de imaginar a alteração do paradigma associativo que nos teríamos de adaptar.

12 de março de 2020 tomaríamos a decisão de encerramento das nossas atividades de formação profissional e atendimento ao público de forma independente e sem autorizações de órgãos superiores.

19 de março de 2020 é decretado o confinamento geral.

Este mandato é marcado por este acontecimento que veio alterar a nossa normalidade.

Numa fase em que o associativismo tem vindo a perder importância e influência foi para nós um enorme desafio liderar esta instituição centenária numa das fases de maior crise.

O desafio é enorme pois, hoje, o associativismo empresarial é vivido do carolismo (dedicação extremada e altruísta a uma obra, causa, ideia) dos seus dirigentes. Na fase em que também as nossas empresas precisaram de nós, estivemos a lutar e a pensar nos outros.

O associativismo empresarial tem desempenhado papéis diferentes ao longo dos tempos, passando as associações de instituições limitadas a serviços de apoio administrativo/técnico e de cobrança de quotas aos associados, para instituições de maior complexidade e de maior representatividade dos seus associados.

Foi este o caminho que a Associação soube traçar nos últimos anos, de forma a alcançar o grau de confiança e reconhecimento público que tem.

Somos uma das maiores associações a nível regional, contando com uma equipa de 20 colaboradores distribuídos por cinco departamentos especializados. Contamos ainda com cerca de meia centena de outros subcontratados no desenvolvimento dos mais diversos projetos. Sem o envolvimento e dedicação de cada um destes colaboradores nunca seria possível atingir os objetivos a que nos propusemos.

Mantendo o orgulho do reconhecimento e credibilidade da (AEP), o futuro será encarado como um estímulo no sentido de manter a dinâmica alcançada e de superar os desafios futuros.

Tal como referi anteriormente, a razão principal da associação são os seus associados. E deles temos a certeza que reconhecem e contam com o nosso profissionalismo, dedicação, dinamismo e empenho desta Direção que liderei no último ano.

Ao nível da representatividade dos nossos associados durante o último ano foram direcionadas Cartas Abertas ao Governo e Município de Penafiel na exposição e relato dos momentos que todos atravessaram.

Durante este ano pandémico promovemos webinars, sessões de esclarecimento e diversas reuniões presenciais e online por forma a esclarecer e apoiar os nossos associados na melhor tomada de decisão nos seus negócios.

Num ano que cancelámos todos os nossos eventos fomos audazes ao ponto de conseguirmos criar de um novo evento – “Petiscando” – que muito dinamizou e promoveu a gastronomia e os estabelecimentos da restauração e similares do concelho junto da população. Este evento veio para ficar e reveste para nós um orgulho imenso em ajudar um setor fortemente afetado por esta pandemia.

Também por termos verificado junto deste sector a dificuldade em conciliar confeção e distribuição em regime de entrega ao domicílio, desfiámos a Uber eats a abrir a sua operação no nosso concelho, para que os empresários se focassem na sua atividade de confeção das refeições, permitindo-lhes manter alguma receita do seu negócio.

Nas atividades de Natal limitámos a nossa atuação à campanha de vouchers e promoção do comércio de proximidade.

Na questão da economia de proximidade verificámos o ressurgimento de uma economia local com necessidade de desenvolver cadeias de abastecimento mais próximas. A pandemia provocou uma grande alteração nas rotas de comércio internacional e a consequência passou por uma aposta mais concertada nas redes de abastecimento local e na produção dentro de portas para facilitar o consumo.

O comércio eletrónico de proximidade foi uma das consequências da pandemia.

Um dos grandes desafios para este mandato será o de demonstrar aos empresários do concelho que uma aposta na economia local fará dinamizar outras atividades. Se o rendimento gerado circular dentro da economia local promoveremos um maior poder de compra, qualidade de vida e surgimento de novas oportunidades de negócio.

Por outro lado, ao desenvolvermos a economia local estamos a promover o uso do território, evitando o abandono.


Fonte: IMEDIATO

 

 

A Associação Comercial e Industrial de Taubaté completa nesse dia 04 de março, mais um ano desde sua fundação, somando 122 anos de história na cidade. A ACIT é terceira Associação Comercial mais antiga do Estado de São Paulo e a mais antiga do Vale do Paraíba.

Desde sua fundação, trabalha com foco no desenvolvimento do comércio, da prestação de serviços, com objetivo de preparar empresários e seus colaboradores para que ofereçam um serviço de excelência e sejam referência em toda a região. A história da entidade está totalmente ligada ao desenvolvimento de Taubaté, e representa uma figura importante nos diversos períodos econômicos vivenciados pela cidade e também pelo país. No associativismo e no empreendedorismo, o papel da ACIT é ser um agente de desenvolvimento social, sempre em defesa da classe empresarial.

Relatos históricos contam que o empresário Felix Guisard liderou um grupo de comerciantes para enfrentar as dificuldades apresentadas diante do cenário instalado com a crise do café, em 1899 e, desde então, a ACIT consolidou-se como uma das mais atuantes associações de lojistas de todo o interior do estado.

A entidade já teve a sigla A.C.T antes de se tornar ACIT, como conhecemos atualmente. Segundo jornais da época, as reuniões para a criação da instituição ocorreram no “sobrado do Sr. Barnabé Ferreira de Abreu e Costa, no Largo da matriz”, local que, inclusive, foi sua primeira sede.

A primeira diretoria foi composta pelo Presidente Felix Guisard (que dirigiu a entidade até 1904), o Vice-Presidente Antônio Gomes de Souza Penna, o Primeiro Secretário Joaquim Gonçalves Freitas, o Segundo Secretário Brás Curiu e o Tesoureiro Crispim José de Carvalho.

No início do século XX, eram oferecidos cursos noturnos, voltados para empresários, dependentes e seus funcionários, que abrangiam temas como escrituração mercantil, direito comercial e geografia comercial, assuntos relevantes naquele momento. Entretanto, segundo pesquisas feitas pela ACIT, houve também um período de pouca atividade, principalmente a partir da década de 10, ressurgindo com mais força em 1934, quando seu estatuto foi reformulado e o empresário Francisco de Barros tomou posse como presidente, cargo que manteve até 1939.

Em 1993 a ACIT inaugurou o “SPC” automatizado, com sistema de telecheque, um serviço revolucionário naquela época.

A Associação também teve participação direta nas obras de estrutura do centro da cidade como, por exemplo, na construção do calçadão na Rua Carneiro de Souza em 1986, num trabalho em conjunto com a Prefeitura que remodelou o centro urbano, facilitando o acesso aos estabelecimentos comerciais.

Além da oferta de cursos para capacitação, a instituição tem em seu currículo a realização de grandes eventos, como a FEITAU (Feira do Comercio, Indústria e Serviços de Taubaté), realizada nas dependências do Comando de Aviação do Exército (Cavex), bailes comemorativos do comércio, que homenageava grandes empresários da cidade, eventos de natal, grandes encontros empresariais de desenvolvimento e networking, palestras com profissionais renomados, parcerias com outras importantes entidades, grandes promoções junto aos associados para beneficiar os clientes, todas as ações sempre voltadas para o desenvolvimento econômico da cidade.

A ACIT vem deixando seu legado a cada dia, sempre acompanhando as páginas da história de Taubaté. A associação procura estar sempre à frente, inovando e se atualizando num mundo cada vez mais tecnológico e com informações que correm à velocidade da luz. Aliado à isso, busca manter parceria e um bom relacionamento com os poderes executivo, legislativo e judiciário para buscar melhorias e ações que possam beneficiar o comércio local.

O grande desafio é oferecer ao associado excelência na prestação dos serviços que estimulam a criatividade em qualquer momento econômico e político. É função da ACIT mostrar ao empresário as mais variadas possibilidades para manter seu negócio vivo e rentável, com soluções práticas e viáveis.

 

Confira abaixo depoimentos de quem esteve à frente da ACIT nos últimos anos:

“A ACIT, quando assumi, estava pré falimentar, com mais de oitenta títulos protestados. Com a ajuda dos meus pares, consegui quitar tudo. Após um longo período de melhorias, partimos para a informatização da entidade. De 40 sócios, partimos para 400. Conseguimos informatizar o SCPC e, aos poucos, construímos a sede entidade, que hoje é muito respeitada, é uma das mais eficientes da região.” (Dirceu Ortiz Gomes – Presidente de 1985 a 1995)

“Eu tenho muito orgulho de integrar o quadro associativo da entidade mais representativa e respeitada do empresariado taubateano. Durante minha gestão como presidente da ACIT, reestruturamos e modernizamos o nosso sistema de informações de proteção ao credito, que passou a ser totalmente informatizado, aumentando assim a credibilidade nos dados por nós fornecidos.

Juntamente com a minha diretoria e a nossa equipe de funcionários e colaboradores realizamos eventos marcantes na história da ACIT, como a primeira FEITAU (Feira do Comércio, Industria e Serviços de Taubaté), Natal Iluminado, os Congressos de Liderança Empresarial do Vale do Paraíba e as comemorações do Centenário.

Estamos comemorando 122 anos de muito trabalho e dedicação ao desenvolvimento de nossa cidade. Parabéns ACIT, parabéns Taubaté!!!” (Augusto Ambrogi Neto – Presidente de1996 a 2000)

“A ACIT, ao completar 122 anos de existência, mostra que lideranças empresariais importantes – entre as quais, Felix Guisard, o maior benfeitor da cidade de Taubaté em todos os tempos – se uniram para reunir forças para resolver problemas de uma crise importantíssima que assolava financeiramente a economia da cidade na época. Registros históricos mostram declarações de empresários que tiveram a intenção de aumentar sua representatividade juntos aos administradores públicos da ocasião.

Esses princípios importantes valem até hoje. Esse é o papel principal das entidades, melhorar a representatividade. Mas, no caso da ACIT, ainda existe um aspecto mais importante, que é o aumento da credibilidade da instituição, comparada ao movimento sindical, onde a participação e compulsória, diferente de uma Associação, que a decisão de ser associado é voluntária.

É preciso salientar, também, que a ACIT é a entidade mais antiga de Taubaté e a que tem a maior credibilidade e representatividade empresarial. Por isso, as negociações e a representações nas discussões públicas, como a exemplo agora dessa pandemia, a ACIT mostra sua força e é sempre ouvida em todos os momentos pelas autoridades.

Tive oportunidade de participar como presidente em algumas gestões, sempre com o auxílio de uma diretoria valiosa que ajudou a conduzir a renovação da administração, e agora participo como diretor, sempre com muita dedicação e muito amor por essa entidade tão importante para Taubaté.” (Yasto André Saik – Presidente de 2001 a 2006

“Acredito que o fato de nos reunirmos em associação é de extrema importância em todos os tempos, mais ainda em época de crise como a que estamos vivendo.

Aliás, ao completar 122 anos, a jovem senhora ACIT foi testemunha de uma parte da história de nossa cidade, do nosso Estado e do Brasil. História que está entremeada de sucessos, dificuldades, progressos e muito, muito trabalho. Fico feliz e grata em ter tido a oportunidade de contribuir um pouquinho neste projeto grandioso que nossa querida ACIT tem desenvolvido neste longo período.

Considero que para o fortalecimento e representatividade cada vez maior da ACIT é fundamental a participação de associados, colaboradores e diretores, bem como a adesão de novos membros. Que venham mais e mais anos de atuação e que possamos ser testemunhas de um tempo cada vez mais próspero e harmonioso!” (Rogéria Ferreira – Presidente de 2007 a 2009)

“A ACIT traz em seu DNA o sinônimo de associativismo, de parceria. A partir do momento que passamos por aqui nossa visão muda, descobrimos a importância de arregaçar as mangas e trabalhar, aprendemos que ter procedimentos nos auxilia para alcançar resultados melhores. E quem tem na ACIT uma parceira, sabe que aqui são oferecidas diversas oportunidades de desenvolvimento, em diversas áreas. São 122 anos de história auxiliando o comércio e os empresários com muita maestria.” (Sandra Teixeira – Presidente de 2010 a 2015)

“Estar à frente a ACIT por algumas gestões me trouxe uma visão mais ampla da nossa cidade e aprendi muito, tendo como referência o nosso fundador Felix Guisard. Tive comigo uma equipe que me auxiliou e trouxemos uma administração mais moderna para essa entidade tão importante para Taubaté. Nosso comércio é o coração da economia da cidade e a ACIT está sempre trabalhando para que Taubaté seja referência nesse quesito, preparando os empresários e seus colaboradores. É uma honra dizer que estive a frente dessa Associação tão importante e pude contribuir para o desenvolvimento da nossa região. Parabéns ACIT pelos seus 122 anos de história.” (José Saud – Presidente de 2016 a 2020)

“Participo na ACIT há muitos anos, em outras gestões tive a oportunidade de estar no corpo diretivo, e agora estou como presidente, à frente essa importante instituição que completa 122 anos de prestação de serviços à cidade e a comunidade.

Acredito na relevância dos serviços que a entidade oferece além da representatividade junto aos poderes públicos, sempre em prol do empresariado.

Estar à frente como presidente é uma responsabilidade enorme, mas também um orgulho, pois cuidar desse patrimônio que é a Associação me traz a noção de que participamos ativamente do desenvolvimento de Taubaté. Parabéns ACIT por essa história tão importante.” (Ricardo Vilhena – Atual Presidente).


Fonte: PORTAL R3

Pelo 44° ano consecutivo, a ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados realiza até o dia 26 de fevereiro a tradicional Pesquisa Ranking Abras.

Elaborada pelo Departamento de Economia da entidade, o objetivo do material é apresentar informações fundamentais para o setor supermercadista brasileiro conhecer e entender cada vez mais o seu mercado.

Para participar é fácil e rápido, basta acessar o formulário on-line no Portal da ABRAS (clique aqui) para preenchimento da pesquisa.

Os supermercados que responderem a pesquisa irão receber, gratuitamente, a divulgação dos resultados do Ranking os dados e análises da pesquisa já formatados em arquivo digital.

Para mais informações entre em contato com o Departamento de Economia e Pesquisa da ABRAS pelos telefones (11) 3838-4516/3838-4533 ou pelo e-mail economia@abras.com.br.


Fonte: ACAPS

Será um grande evento o lançamento do primeiro curso à distância da EA. Está sendo elaborado com a colaboração da competente equipe do SENAI/ES. O curso visa a uma maior capacitação dos Conselheiros Representantes da Indústria no SESI – Serviço Social da Indústria e no SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial e os temas centrais do curso são Responsabilidades e Protagonismo. O objetivo é que os conselheiros do SESI e SENAI contribuam cada vez mais para a melhoria contínua das duas importantes entidades, vitais para o associativismo industrial.

O segundo curso a ser oferecido aos dirigentes, associados e executivos dos sindicatos filiados à FINDES será o do MD(módulo didático)06. Um curso, como os demais do nosso portfólio, de conteúdo exclusivo, de grande valor para o fortalecimento das associações. O Vice-Presidente Manoel Pimenta tem se empenhado para que a oportunidade seja aproveitada pelo maior número de associativistas.

O Conselho de Gestão irá decidir em que associação o lançamento acontecerá. O evento será hibrido, como os últimos e são colaboradores de conteúdo deste novo curso Aristóteles Passos Costa Neto, Domingos Morelo e Sergio Rogerio de Castro.

Anunciado nas mídias sociais da escola a seleção de um profissional. 11 ofertas foram recebidas e estão em análise. A expectativa é de que neste mês de fevereiro a admissão seja processada e o profissional passe a atender e trabalhar na sede da escola.

Renata Lerch, a especialista em marketing da Boardroom MiniCourses, argumenta que as associações mais bem-sucedidas são dirigidas por líderes ágeis, que colocam as necessidades dos membros em primeiro lugar enquanto buscam constantemente por inovação e diferenciação.

https://boardroom.global/wp-content/uploads/2020/10/BDRM_19_BD.pdf

Junto com todo o impacto negativo, o COVID-19 trouxe para as associações a oportunidade de repensar o valor e reavaliar as necessidades dos associados. Profissionais de todos os campos, níveis, geografias e setores foram altamente afetados. Mais do que nunca, os membros precisam do apoio de suas associações para expandir sua rede profissional, encontrar novas soluções para o desenvolvimento de suas carreiras e reinventar suas funções.

O modelo tradicional das associações para fornecer serviços de adesão foi dramaticamente abalado. Os concorrentes, com ou sem fins lucrativos, estão oferecendo soluções digitais inovadoras para networking, educação, conferências e progressão na carreira, uma vez que a demanda está crescendo!

Novas empresas estão surgindo de garagens em todos os lugares e podem transformar o mercado da noite para o dia com novas tecnologias e produtos inovadores. As associações precisam se tornar muito mais para seus membros e clientes. O nível de parcerias e cooperação que vimos por muitos anos na cadeia de abastecimento de manufatura foi amplamente estendido ao setor de serviços, remodelando intensamente a concorrência das associações e as expectativas de experiência dos membros.

Embora o padrão tenha aumentado, ele também abriu um mundo de novas oportunidades para as associações desenvolverem novos serviços, produtos de marca conjunta e benefícios de associação!

Organizações sem fins lucrativos bem-sucedidas estão descobrindo e explorando empresas de SaaS (software como serviço) para fornecer serviços de rede digital com IA, como Lunchclub, um superconector de IA que faz apresentações para videoconferências 1: 1 para avançar em sua carreira. Outros, como a Brightline, estão aproveitando as plataformas Massive Open Online Course (MOOC), como o Cour sera, para distribuir seus cursos globalmente, e a liderança inovadora focada em reconstruir suas capacidades. As consequências de não agir são terríveis.

Como líder de associação, você agora está enfrentando um novo mundo que requer um pensamento em constante evolução. Os líderes têm um papel fundamental na condução da busca pela criação de valor e inovação digital.

 

FRAGMENTAÇÃO DA CADEIA DE VALOR

No passado, as pessoas tiravam fotos com uma câmera Kodak, revelavam-nas por meio de franquias Kodak e as armazenavam e distribuíam em álbuns Kodak. Hoje em dia, as pessoas tiram fotos por meio de telefones celulares da Apple, armazenam digitalmente em uma nuvem da Amazon e as compartilham por meio de plataformas de mídia social como o Instagram. Esta fragmentação da cadeia de valor forçou as organizações a repensar seus modelos de negócios para entregar o máximo valor para seus membros e clientes.

O nível de parcerias e cooperação que vimos por muitos anos na cadeia de abastecimento de manufatura foi amplamente estendido ao setor de serviços, remodelando intensamente a concorrência das associações e as expectativas de experiência dos membros. Embora o padrão tenha aumentado, ele também abriu um mundo de novas oportunidades para as associações desenvolverem novos serviços, produtos de marca conjunta e benefícios de associação! Organizações sem fins lucrativos bem-sucedidas estão pivotando e explorando empresas de SaaS (software como serviço) para fornecer serviços de rede digital com IA, como Lunchclub, um superconector de IA que faz apresentações para videoconferências 1: 1 para avançar em sua carreira. Outros, como a Brightline, estão aproveitando as plataformas do Massive Open Online Course (MOOC), como o Cour sera, para distribuir seus cursos globalmente e liderança inovadora cúpulas como o Fórum Global Peter Drucker, para promover sua causa e aumentar o alcance. Muitos estão aproveitando parceiros digitais para fornecer experiências de conferência perfeitas. Vimos até aquisições como a PMI, uma associação sem fins lucrativos, adquirindo a Discipline Agile Enterprise para expandir seu corpo de conhecimento e portfólio de produtos para oferecer a seus membros e certificados estruturas Agile comprovadas.

Os líderes precisam inovar além do status quo para responder ao desafio.

 

O USO DE IA E MÁQUINA APRENDENDO A DIFERENCIAR

Os cronogramas de transformação digital foram acelerados pelo COVID-19, resultando em associações que enfrentam o aprendizado de máquina e a competição alimentada por IA. Não é mais suficiente apenas digitalizar os canais com os quais sua organização atende aos membros. Os concorrentes estão aproveitando a automação, os dados e os algoritmos para liberar linhas de produtos e segmentos de membros inteiramente novos e para redesenhar completamente as experiências do usuário ininterruptas em toda a cadeia de valor, incluindo fragmentos de serviço atendidos por parceiros.

Os manuais estão desatualizados, os dados dos associados pré-COVID por si só não podem fornecer tendências futuras. As associações precisam combinar oscilação, dados de membros e IA para construir produtos e serviços a partir de tendências preditivas. O Surge analytics permite que as organizações rastreiem a flutuação da demanda em tempo real, revelando novos comportamentos e múltiplas oportunidades.

Esses diferentes ângulos de dados sob demanda permitem que as equipes entendam o que os clientes e membros precisam e estão tentando realizar em tempo real, independentemente das soluções atuais disponíveis no mercado.

A inovação e a diferenciação que vão além de apenas atualizações de produtos e serviços sempre resultam das necessidades dos membros, não das soluções atuais.

Mesmo que a capacitação da tecnologia seja fundamental para a sobrevivência das associações, ainda é papel do líder orquestrar como suas organizações são fortalecidas. As associações de maior sucesso que vi são dirigidas por líderes com uma mentalidade ágil, apoiadas por operações que as fortalecem. Uma liderança que forneça uma visão clara, defina objetivos centrados nos associados e oriente a equipe a interpretar e usar a tecnologia para permitir a inovação sempre será o diferencial para projetar o futuro.

O Sistema Único de Saúde (SUS) está presente na vida da população de formas diversas. Nas unidades básicas de saúde, à internação hospitalar, passando pela realização de exames, entre outros serviços.

O financiamento desse sistema é feito com impostos do cidadão e partilhado pelos governos federal, estadual e municipal. Cabe à União definir as diretrizes das políticas nacionais, com a implementação feita pelos gestores estaduais e municipais.

Mas onde se encaixam os hospitais filantrópicos nessa rede de assistência? São instituições privadas, porém sem fins lucrativos, que possuem contrato com o sistema público para atendimento a pacientes do SUS. Pelo menos 60% dos atendimentos oferecidos pelos filantrópicos são destinados, obrigatoriamente, ao SUS. Os demais podem ser direcionados a planos de saúde e pacientes particulares.

Equilibrar a balança de atendimento público-privado é o exercício diário dos hospitais filantrópicos, fundamentais para o funcionamento do sistema público. Manter serviços, qualidade no atendimento e equilíbrio das contas com a eterna defasagem da Tabela SUS, são os grandes desafios.

As organizações filantrópicas são mantidas com doações, além de parcerias, convênios e políticas públicas pactuadas com governos municipais, estaduais e federal. É muito desafiador manter a dosagem entre receita, despesa e investimento. O Hospital Santa Rita é um exemplo de unidade filantrópica que contribui com excelência na prestação de serviços ao cidadão, tanto na rede SUS quanto na de convênios e particular.

 

Equilibrar a balança de atendimento público-privado é o exercício diário dos hospitais filantrópicos, fundamentais para o funcionamento do sistema público.

 

Foi construído em 1970 pela Associação Feminina de Educação e Combate ao Câncer (Afecc), que o mantém e o tem sob sua gestão. A Afecc é administrada por uma Diretoria Voluntária, que conta com colaboração de um Conselho de Administração, também não remunerado, que a auxilia nos direcionamentos estratégicos e administrativos tanto da Associação quanto do Hospital.

Para funções administrativas hospitalares são contratados profissionais especializados, com autonomia de ação, mas supervisionados pela Diretoria da Afecc. É esse entrosamento e comprometimento dos gestores, em todos os níveis da administração, que possibilita as tomadas de decisões que mantém a instituição em crescimento.

Em 2020, por exemplo, 78,81% dos atendimentos do Santa Rita foram destinados ao SUS (422.158 assistências prestadas). Nosso contrato com a saúde pública é para atendimento oncológico. As demais especialidades médicas, incluindo também a oncologia, são prestadas a pacientes da rede particular e de convênios.

A estrutura hospitalar e tecnológica conta com profissionais altamente qualificados e equipamentos e sistemas de última geração. É o Hospital referência em oncologia no Espírito Santo, bem como de excelência nas demais especialidades médicas.

Não é fácil e nem simples, mas contar com voluntários, profissionais qualificados e parceiros comprometidos com a causa da filantropia fortalecem a confiança para o crescimento das parcerias e doações.