ASSOCIATIVISMO…OU NÃO? POR MASSIMO ESPOSITO

Na terra onde nasci, logo depois da guerra não havia nada, só homens e mulheres que tinham perdido tudo e queriam reaver a própria vida.

Começaram as cooperativas e associações, JUNTOS começaram a ter as próprias tarefas e a desenvolver as ideias para alcançar objetivos.

Quer na administração, quer na logística ou no próprio trabalho manual, todos tinham a dignidade própria porque eram uma peça duma engrenagem que ajudava a TODOS, ninguém era mais do outro porque o responsável da logística não podia fazer nada se os operários não entregassem o produto, e assim por diante.

Em Portugal não é assim, e digo isto por experiência pessoal (várias). No concelho de Mação, por impulso do então presidente da Câmara, foi constituída uma associação de artistas, de que eu era o afortunado presidente, e nas primeiras reuniões todos eram interessados a ajudar..mas o tempo passa… e aos poucos o “afortunado” presidente devia fazer contactos, realizar exposições, entregar documentos ao técnico de conta, reunir na câmara, fazer limpeza…….isto durou 3 anos, visto que ninguém mais se apresentou para avançar, e eu fiquei cansado por trabalhar sozinho.

Estou agora em duas Associações do Medio Tejo. Belas reuniões… no começo, com tantas ideias, projetos, propostas. Alguns que se agitavam para impor as próprias ideias…fazemos ISTO! Fazemos AQUILO! Mas depois as reuniões minguaram, cada um queria JÀ fazer as coisas, queriam JÀ ser elogiados, e aqui inicia o meu raciocínio.

Meus caros colegas, para se ter algo é preciso trabalho, empenho, sofrimento, e persistência.

Não se pode querer constituir uma associação e logo depois ir exigir subsídios e ajudas..precisa antes MOSTRAR  o que se pretende, o que se sonha , o porquê da existência desta associação, e então sim, podemos ter ajuda.

Associar-se quer dizer” juntar o próprio trabalho ao trabalho de outros para conseguir um objetivo”, não estar a espera, sentadinhos, que tudo caia do céu. Do céu cai água, só!

Por aqueles que criticam, lamuriam, andam tristes a abanar as mãos e chorar nos cantinhos das ruas, porque “aqui não há nada”, “ninguém me ajuda”, “este país não presta”, digo-lhes isto: seja humilde, dedicado e trabalhador, e aceite o seu lugar, não só para fazer propostas, mas demonstrar também em como realizá-las.

DEDICA-TE A ISTO COM PAIXÃO!

Massimo Esposito
Pintor Italiano, licenciado em Arte e com bacharelato em Artes Gráficas em Urbino (Itália), vive em Portugal desde 1986. Em 1996 iniciou um protejo de ensino alternativo de desenho e pintura nas autarquias do Médio Tejo que, após 20 anos, ainda continua ativo. Neste projeto estão incluídas exposições coletivas e pessoais, eventos culturais, dias de pintura ao ar livre, body painting, pintura com vinho ou azeite, e outras colaborações com autarquias e instituições. Neste momento dirige quatro laboratórios em Abrantes, Santarém, Entroncamento e Constância.

Mais Notícias


INSPIRAÇÃO

Um sentimento mal acomodado na mente provocou a inspiração para a criação da Escola de Associativismo. Por que havia recuado e não encarado a luta como sempre fiz ? Razoes cristalinas indicavam a correção da decisão mas o espirito de luta relutava em aceitar. Estava deixando uma posição de diretor numa associação nacional de alta […]


[NOVO] Liderança em tempos de constante evolução do valor dos associados

Renata Lerch, a especialista em marketing da Boardroom MiniCourses, argumenta que as associações mais bem-sucedidas são dirigidas por líderes ágeis, que colocam as necessidades dos membros em primeiro lugar enquanto buscam constantemente por inovação e diferenciação. https://boardroom.global/wp-content/uploads/2020/10/BDRM_19_BD.pdf Junto com todo o impacto negativo, o COVID-19 trouxe para as associações a oportunidade de repensar o valor […]


[NOVO] IMPORTÂNCIA E DESAFIOS DOS HOSPITAIS FILANTRÓPICOS

O Sistema Único de Saúde (SUS) está presente na vida da população de formas diversas. Nas unidades básicas de saúde, à internação hospitalar, passando pela realização de exames, entre outros serviços. O financiamento desse sistema é feito com impostos do cidadão e partilhado pelos governos federal, estadual e municipal. Cabe à União definir as diretrizes […]