DEFININDO LIDERANÇA PARA ASSOCIAÇÕES MODERNAS (NOVO)

De Frank M. Waechter | 26 de março de 2018 | Gestão de Associações |

Por que é importante definir liderança para associações modernas? Na sociedade de hoje, as associações desempenham um papel essencial, pois possuem o poder combinado necessário para lidar com questões que importam para as comunidades com as quais estão envolvidas. As organizações prestam muita atenção aos programas e operações, mas a importância do capital humano não pode ser minimizada. Isto é particularmente verdadeiro quando se trata de liderança, que determinará em grande parte a direção da organização, a coesão interna e, finalmente, impulsioná-la no tempo e as mudanças que a acompanham. Neste artigo, examinaremos as principais características que definem a liderança em associações, organizações sem fins lucrativos e profissionais, bem como sugestões sobre como criar o ambiente certo para o desenvolvimento profissional contínuo e as melhores práticas para uma liderança multigeracional eficaz.

LIDERANÇA NO MUNDO DA ASSOCIAÇÃO
A primeira coisa que precisamos determinar para definir as características da liderança eficaz é se a liderança em associações difere da liderança corporativa. Um estudo baseado em entrevistas realizado nos Estados Unidos revelou que, embora existam algumas diferenças em como a liderança é percebida e implementada em associações versus organizações corporativas, as semelhanças são muito mais marcantes do que as diferenças. Em ambos os setores, houve uma mudança de estilos de liderança gerencial para visionária e, eventualmente, estratégica. Os traços de líderes eficazes são semelhantes em todas as áreas, pois incluem características como a capacidade de ouvir, motivar, inspirar e liderar pelo exemplo, além de uma firme crença nos valores, imagem e missão da organização em questão. Em organizações corporativas e não corporativas, a satisfação no trabalho e um ambiente de trabalho estimulante são frequentemente citados como prova de boa liderança, o que significa que os líderes devem prestar muita atenção aos sistemas e à estrutura hierárquica de sua associação. Nas organizações modernas, os processos de tomada de decisão são distribuídos uniformemente, e as estruturas de liderança são um tanto fluidas no sentido de que idade ou senioridade não são necessariamente os fatores determinantes quando se trata de avançar para papéis de liderança. Os diretores de associações do século XXI devem prever modelos de liderança distribuída como co-diretoria, já que esses modelos ajudam a construir a confiança (que é muitas vezes creditado como um dos aspectos mais críticos da liderança eficaz), ajudar a remodelar a hierarquia organizacional de escada para rede, fortalecer o compromisso compartilhado e fornecer oportunidades contínuas para o desenvolvimento de habilidades de liderança. Por fim, a disposição para se adaptar é um traço essencial dos líderes, uma vez que as mudanças demográficas e sociais estão fadadas a reformular a hierarquia organizacional, como discutiremos na seção seguinte.

LIDERANÇA MULTIGERACIONAL
À medida que a geração dos Baby Boomers começa a atingir a idade de aposentadoria, surgem dúvidas sobre se as próximas gerações estão equipadas com sólidas habilidades de liderança. A maioria das organizações hoje terá uma mistura de executivos de associações e funcionários de diferentes gerações: Baby Boomers, Geração Y ou Millennials, os quais trazem diferentes visões de mundo e perspectivas para a organização. A liderança multigeracional requer um foco nas semelhanças entre grupos etários, que geralmente incluem a necessidade de colaboração, oportunidades de desenvolvimento, um claro entendimento de suas responsabilidades e papéis, e o recebimento de feedback e incentivo oportunos. Estudos descobriram que a convergência entre grupos etários também é evidente em valores como sustentabilidade, responsabilidade e uma mentalidade de realização. Capitalizar esses valores pode ajudar a preparar jovens líderes para seus papéis cruciais no mundo da associação. A geração do milênio que trabalha para associações internacionais valoriza altamente o desenvolvimento da liderança ao longo de um plano de carreira claro, onde suporte e treinamento adequados estão disponíveis por toda parte. Dentro dessa geração, a lealdade a um único local de trabalho / organização não é um dado, por isso é vital fornecer oportunidades desafiadoras e acelerar a progressão na carreira que não apenas permitam que os funcionários desempenhem um papel, mas também que cresçam nele. Nesta nota, o desenvolvimento de habilidades deve ser visto como um relacionamento de mão dupla que ajuda os funcionários seniores e juniores a aprender uns com os outros. Afinal, aprendizagem colaborativa e co-criação são os pilares da liderança moderna e sustentam todas as formas de desenvolvimento profissional. Uma maneira de promover a aprendizagem colaborativa é a criação de esquemas de mentoria reversa , onde os funcionários são estrategicamente combinados, para que eles ajudem uns aos outros a adquirir habilidades e reforcem mutuamente seus talentos e habilidades.

MELHORES PRÁTICAS
Em resumo, aqui estão algumas das práticas recomendadas que os diretores executivos e outros executivos da associação precisam levar em conta para ajudar jovens líderes a aperfeiçoar suas habilidades de liderança.

-Concentre-se na qualidade das relações: as pessoas precisam se sentir valorizadas e dar oportunidades para cultivar trocas sociais positivas.

– Cultive uma firme crença na missão e nos valores da organização: eles não devem ser percebidos como um conceito abstrato, mas como algo quase tangível que tem um impacto real no mundo real.

– A motivação não é apenas intrínseca: há fatores externos que contribuem para ela, como salários, benefícios e pacotes de incentivo. Os caminhos do avanço profissional devem ser claros e deve haver oportunidades de crescimento em todos os estágios. Seja claro sobre o que é necessário para assumir responsabilidades de liderança e forneça as ferramentas para alcançá-las. Estes podem incluir uma combinação de programas de treinamento internos e externos, diferentes tipos de orientação, grupos de apoio de pares, etc.

-Proporcionar oportunidades de auto-avaliação e reflexão.

– Priorize o aprendizado personalizado que é adaptado às necessidades individuais em relação às sessões em grupo.

– Mantenha canais de comunicação claros e faça as perguntas certas: os líderes precisam conhecer em primeira mão o que as gerações mais jovens consideram um excelente lugar para trabalhar, que sistemas elas favorecem, quais estruturas e ferramentas permitem produzir os melhores resultados e como medem o sucesso.

– Transparência e consistência também devem ser aplicadas à tomada de decisões e à estrutura organizacional. Aproveite ao máximo as oportunidades e programas de desenvolvimento de liderança estabelecidos, que podem incluir desde treinamento formal até fóruns, conferências e cúpulas.

CONCLUSÃO
De diretores a voluntários, todos os que fazem parte de uma associação têm um papel a desempenhar na criação de práticas de liderança sustentáveis ​​que podem ter um impacto poderoso e contribuir significativamente para o sucesso organizacional a longo prazo. Uma abordagem proativa à liderança também pode ajudar as organizações a se estabelecerem como associações internacionais que lidam com sucesso com preocupações globais e locais graças à força coletiva de sua equipe. Além disso, as práticas de liderança focadas no futuro podem acomodar várias gerações e levar as organizações a um futuro promissor.

O artigo original  Leadership in the Associations World  foi publicado pela primeira vez em  HQ The Association Magazine, FEB 2018, Nr. 82  fornecidos pela  Congrex Suíça  em nome da  IAPCO . Autor  Frank M. Waechter .

Bitnami