ASSOCIATIVISMO E COOPERATIVISMO MELHORAM O MUNDO
Sergio Rogerio de Castro

Associações e cooperativas são fundamentais para o desenvolvimento de um país. São importantes para a consolidação das democracias e para o aprimoramento das instituições.

O assunto é empolgante, envolvente; e, por isso, é preciso cuidado: pode virar uma paixão! Helcio Resende Dias, por exemplo, Presidente da FINDES (Federação das Indústrias do Estado do ES) durante o período de 1983-1989, no auge dos seus 88 anos, é participante ativo de 13 diferentes associações. Um verdadeiro aficionado! O destacado paulista Roberto Rodrigues, Ministro da Agricultura entre 2003 e 2006, é, por seu turno, um entusiasta declarado do cooperativismo.

Mas qual seria a diferença entre Associativismo e Cooperativismo? No Associativismo os dirigentes de nível mais elevado, em sua grande maioria, são voluntários. As associações se constituem sem fins lucrativos. Precisam de superávits para aumentarem a quantidade e a qualidade dos serviços prestados aos associados, para investirem na melhoria de suas sedes e, é claro, para permanecerem vivas e ativas a longo prazo. Operando segundo essa lógica, esse tipo de organização não distribui resultados.

No cooperativismo é diferente. Uma cooperativa é constituída, via de regra, com um claro objetivo econômico, qual seja o de buscar resultados positivos, que produzam “sobras”. Seus dirigentes são remunerados e as “sobras” são distribuídas anualmente, de acordo com as deliberações das suas assembleias.

Não obstante funcionem de modos distintos, qualifico as associações e as cooperativas como primas: independentes entre si e definidas, uma e outra, por características únicas; mas unidas por um traço genético comum: A preval6encia do espírito do trabalho coletivo, muito mais forte do que o do trabalho individual.

Em Vitória, no Espírito Santo, está situada a sede da Escola de Associativismo, uma instituição cujo negócio declarado é o fortalecimento das associações. Atualmente, a Escola trabalha com três tipos de organização: associações de empreendedores, associações de suporte a hospitais filantrópicos e associações comunitárias de moradores de bairros/regiões.

Hoje, temáticas atinentes ao cooperativismo são muito estudadas e discutidas – talvez pelo viés lucrativo sobre o qual as cooperativas se sustentam. As associações, por outro lado, ainda são pouco prestigiadas na academia, nos centros de estudos. Nessa conjuntura, a Escola de Associativismo figura como uma instituição de vanguarda, vez que, reconhecendo o alto potencial de impacto do tema a nível nacional, promove debates, produz relevantes materiais de ensino, oferece cursos, palestras, seminários sobre o associativismo, seleciona e coleciona artigos e vídeos de qualidade sobre o tema. Vale a pena conhecer o conteúdo exclusivo produzido e o conteúdo colecionado, ambos de grande valor.

Associações e cooperativas têm, em sua essência, um ideal comum: valorização do trabalho coletivo, organizado e com resultados – elemento vital para o desenvolvimento de qualquer país. Políticos inteligentes interagem ativamente com as associações e com as cooperativas, pois estas são uma fonte natural – e riquíssima – de dados, a nível municipal, estadual e federal. São, portanto, organismos fundamentais para inspiração, informação para um bom desenho de políticas públicas, racionais e eficientes – algo que, no Brasil, anda escasso.

Associações e cooperativas podem e devem ser mais acionadas. Vão ajudar muito a resolver nossos problemas, a gerar mais riqueza, mais bem-estar e a diminuir as injustiças sociais.

Mais Notícias


Primeiros passos para se tornar global

  Levar sua missão para fora dos Estados Unidos pode ser cheio de incertezas, mas ficar parado também pode ser. Especialista compartilha alguns conselhos para iniciar o processo. Este pode ser um momento difícil para conversar sobre tornar sua associação global. Muitas associações estão apenas agora a recuperar o seu equilíbrio em termos de servir […]


INSPIRAÇÃO

Um sentimento mal acomodado na mente provocou a inspiração para a criação da Escola de Associativismo. Por que havia recuado e não encarado a luta como sempre fiz ? Razoes cristalinas indicavam a correção da decisão mas o espirito de luta relutava em aceitar. Estava deixando uma posição de diretor numa associação nacional de alta […]


[NOVO] Quem escolhe o seu deputado?

Em menos de um ano, seremos chamados a escolher os próximos deputados federais do País. A distribuição das cadeiras na Câmara dos Deputados se dará proporcionalmente aos votos recebidos pelos partidos em cada Estado e no Distrito Federal. A identificação dos candidatos mais votados de cada partido vem só depois; antes, é preciso saber se […]

Fale com o diretor da escola