Associativismo: ferramenta socioeconômica indispensável

 

Individualmente, conquistar determinados benefícios para desenvolver sua empresa pode ser desafiante. Contudo, a união de esforços tem um papel fundamental no desenvolvimento de micro e pequenos negócios, já que dá peso à busca de soluções efetivas que respondem com assertividade às demandas comuns de um determinado setor: explorar novos mercados, melhorar a produtividade ou obter acompanhamento especializado com grandes parceiros.

E um exemplo disso vem do Núcleo de Moda Sul Catarinense (NMSC), um dos núcleos setoriais da Associação Empresarial de Criciúma (Acic). Em conjunto com o Sindicato da Indústria do Vestuário do Sul Catarinense (Sindivest), o grupo trabalha para estabelecer parcerias e oferecer uma gama de vantagens aos associados.

“A unificação de entidades, oficializada em 2020, sempre foi um sonho para ambas, e certamente intensificará os benefícios, já que as duas visam defender os interesses do setor do vestuário”, avalia o presidente do Sindivest, Xandrus Galli.

Segundo ele, o trabalho sério desenvolvido ao longo dos anos construiu uma relação sólida e uma percepção muito positiva do mercado de moda sobre as entidades coirmãs. Isso se desenvolveu e se mantém com parceiros de peso, não só da região como de fora.

“Muitos dos projetos que foram desenvolvidos nos últimos anos no Núcleo de Moda só foram possíveis graças à associação. Além do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), que nos abriu portas para evoluirmos nossas empresas com missões internacionais e projetos técnicos robustos, temos também a Fiesc (Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina), que nos aproxima de um cenário de discussão mais amplo sobre atuação do setor a nível estadual e nacional, sobretudo a nível de legislação”, expõe o presidente do Núcleo de Moda, Eduardo Rizzotto.

Conexões

De acordo com ele, o trabalho desenvolvido também permitiu que fossem estabelecidas conexões com instituições de ensino de ponta, como o Senac. “Isso nos permite desenvolver projetos de acordo com as necessidades de nossos associados, com oportunidades de facilitar operações comuns do dia a dia de empresas de moda. Por meio do SESI/Senai, por exemplo, as empresas têm acesso a laboratórios diversos e ao estúdio fotográfico e acesso gratuito à pesquisa do WGSN, algo riquíssimo para empresas da área, pois permite antecipar-se e oferecer ao mercado produtos altamente vendáveis”, cita Rizzotto.

“O Audaces Connection, um grande evento de moda e tecnologia, escolheu Criciúma para realizar seu primeiro grande evento e fomos parceiros, a exemplo de outros bons eventos com grandes nomes, realizados para trazer conhecimento para as empresas do vestuário de Criciúma e região. Para nós, é uma mostra daquilo que buscamos e pelo qual trabalhamos há tanto tempo”, continua o presidente do núcleo.

“Não só tem dado frutos, como descortina muitas possibilidades em potencial, como o cruzamento cada vez mais forte da tecnologia e sustentabilidade com a moda, que se manifesta na nossa comunicação e na busca por profissionais e empresas que possam contribuir com essa transformação veloz, possibilitando a realização de eventos para o setor e outros encontros e ações exclusivas para nossos associados”, ressalta Rizzotto.

Ele lembra que o Núcleo de Moda e o Sindivest, com o apoio das entidades parceiras, já enviaram empresários da região para grandes centros de pesquisa e compras do mundo. Alguns projetos de consultoria técnica, acompanhamento e melhoria também foram oportunizados devido ao fato de estarem associados. “É com imenso orgulho que vimos muitos de nossos associados darem um salto com evolução em processos, branding e posicionamento”, enaltece.

Tecnologia

No ano passado, devido à pandemia, as ações precisaram ser adaptadas, mas não pararam. “Temos buscado muitas oportunidades, focado na transformação digital, indústria 4.0, uso de aplicativo, marketing digital, de experiências e serviços multicanais, tecnologias voltadas à moda”, elenca o presidente do núcleo, explicando que esse trabalho foi intensificado já no ano anterior.

“Como para todos, fomos pegos de surpresa com o Covid-19 e estamos nos adaptando, estudando mais, explorando outros caminhos e tentando descobrir novas maneiras de orientar, promover e desenvolver as empresas associadas. Mas é importante ressaltar que acreditamos ser parte do nosso trabalho conscientizar o público geral sobre a importância do trabalho dessas empresas em nossa região. Para isso, buscamos uma comunicação mais simples e próxima, principalmente via Instagram, com uma visão mais coesa de sustentabilidade, tecnologia, tendências e moda”, conclui.

 


Fonte: Engeplus

Nossa colaboradora voluntária Flávia Santos fez uma exposição da grande utilidade do Trello e incentivou que a EA e seus colaboradores voluntários a utilizem nas atividades da escola.

A Escola de Associativismo está desenvolvendo, em conjunto com o SENAI do Espírito Santo curso de Ensino à Distância para Conselheiros do SENAI e SESI do Espírito Santo. Um dos itens do curso é o Manual do Conselheiro, que está na sua primeira versão e integra a primeira parte do curso cujo objetivo é dar ferramentas aos conselheiros para o bom exercício de suas tarefas.

A primeira versão do Manual do Conselheiro e a estrutura final desta etapa do curso foi aprovada pelo Diretor da Escola, Sérgio Rogério de Castro. A previsão inicial é que o novo curso esteja disponível e pronto para lançamento no mês de abril. É mais uma ação da Escola de Associativismo em favor do aperfeiçoamento do associativismo no Espírito Santo.