O ASSOCIATIVISMO E OS VOCACIONADOS NA HOTELARIA

O associativismo nasceu da necessidade dos homens somarem esforços para alcançar um objetivo comum. Nos primórdios, a  preocupação fundamental era a própria sobrevivência. Mais recentemente, essa busca transformou-se no enfrentamento às mudanças impostas pelo sistema econômico mundial. Em todos os tempos, sempre estivemos envolvidos a algum grupo, nas sociedades primitivas, a escassez de recursos obrigou aos indivíduos uma organização em grupos. Concluímos que a cooperação é uma resposta criativa do homem frente aos seus desafios, suas fragilidades e limitações. Na década de 1990, o associativismo ganha perspectiva de desenvolvimento local, aliada à concepção de sustentabilidade.

Uma associação pode seguir o modelo tradicional, com grande número de associados, ou constituir um associativismo menor, de pequenos grupos. Dependendo do modelo, algumas regras podem ajudar a diminuir os riscos e garantir que os objetivos da associação sejam atingidos. Quando esse grupo é formado por um grande número de associados, a dificuldade em se estabelecer objetivos comuns são maiores. Para resolver esse problema, define-se uma diretoria que centralize as decisões e atenda aos anseios da maioria.

Sobre o tema, o Sebrae diz: “Como a responsabilidade pelo sucesso é de todos os associados, eleva-se o grau de comprometimento e, por isso, é preciso dar muita importância ao planejamento e às ações.”

Os problemas brasileiros são crescentes na política, na economia e na sociedade, e seus impactos são evidenciados diariamente, pois resultam em desemprego, exclusão e individualismo. Notamos um crescimento notável de associações, mas é preciso persistir nessa forma de governança para melhorarmos esse cenário atual e também para as futuras gerações.

Na hotelaria, a busca pelo associativismo vem se tornando uma tarefa cada vez mais contínua e imprescindível para o fortalecimento da atividade. Para o segmento crescer, é necessário que o desempenho de toda a cadeia produtiva do turismo também avence e se fortaleça.

Hoje, somente a ABIH Nacional, a mais tradicional e maior associação do segmento, reúne 25.8000 meios de hospedagens, 502 mil unidades, é responsável por 365 mil empregos e recebe 390 mil hóspedes por dia. Com números tão grandiosos, é preciso deixar as diferenças de lado e trabalhar em torno de um bem comum.

Na Hotelaria, o associativismo vem se tornando uma tarefa imprescindível para o fortalecimento da atividade.

Nerleo Caus
Presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH Nacional)