Ruy Barreto, um ícone do associativismo empresarial adverte

Ruy Barreto, que foi um destacado Presidente da Confederação das Associações Comerciais do Brasil e um dos mais emblemáticos presidentes da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), entidade fundada pelo Barão de Mauá, faz uma reflexão sobre o enfraquecimento desse tipo de associativismo empresarial. Diferentemente das entidades sindicais patronais, que contam com fontes de receita compulsória, as associações precisam criar formas de se autofinanciarem, geralmente a partir de contribuições de seus sócios. A ACRJ é proprietária de um prédio situado à Rua da Candelaria, no Centro do Rio. O edifício é uma referencia na arquitetura do Centro, mas, mesmo assim, os alugueis são insuficientes para o sustento da entidade.

George Vidor

24/04/2017 – A Gazeta (Vitória/ES)

Confira na íntegra, clique aqui.

“O que o preocupa é o futuro mais à frente. Na opinião dele, um octogenário, tais associações precisam de mais sócios e, para tal, devem dar a eles direito de votar. Na ACRJ, a diretoria é escolhida pelos 75 beneméritos e grandes beneméritos, cargos vitalícios. Clubes de futebol passaram por um processo semelhante e ganharam mais vigor desde que as diretorias começaram a ser eleitas pelos sócios”.  Escola de Associativismo.